Home » Blog Ethos Animal – Comportamento e Bem-estar » ethos animal

Tag: ethos animal

Papagaios do Congo demonstram auto-controle, diz pesquisa científica

Texto e fotos por Dra. Irene Pepperberg

Papagaios cinzentos podem às vezes ser impulsivos – pense em quantas vezes você pode ter que dar ao seu pássaro vários intervalos para o mesmo comportamento (como mastigar seus óculos escuros) em um período de tempo muito curto. No entanto, meus alunos e eu mostramos que nosso papagaio, Griffin, pode realmente mostrar um pouco de autocontrole. Descobrimos isso dando-lhe uma tarefa clássica usada para testar crianças.

A tarefa é informalmente chamada de “teste de marshmallow” e foi projetada pelo psicólogo Walter Mischel na década de 1970. Ele examinou cerca de 60 crianças, todas com aproximadamente 4 anos de idade, em um ambiente de laboratório. Ele usou várias versões da tarefa, mas na versão mais comum, ele sentou cada criança atrás de uma mesa, na qual ele colocou um prato com um marshmallow.

Ele disse à criança que tinha um compromisso e que voltaria em 15 minutos. Ele disse à criança: “Se você puder deixar de comer o marshmallow no prato na minha ausência, eu lhe darei um segundo marshmallow quando eu voltar”. Ele também disse às crianças que elas poderiam comer o primeiro marshmallow a qualquer hora, mas que, se não esperassem pelo seu retorno, não poderiam ter o segundo. E então saiu da sala (Mischel, 1974).

Quer saber mais sobre nossa Consulta comportamental para aves? Clique aqui.

Agora, se você sabe alguma coisa sobre crianças de 4 anos, para elas 15 minutos é uma vida. Muitas crianças desistiram e comeram o primeiro marshmallow. Mas várias crianças conseguiram esperar, e quase todas conseguiram realizar a tarefa descobrindo como se distrair. Eles se levantaram da mesa e dançaram ao redor; sentaram-se à mesa e cantaram para si mesmos. Às vezes, eles lambiam o marshmallow, mas não o comiam. Eles brincavam com seus cabelos ou roupas. Alguns até tentaram tirar uma soneca.

Mischel argumentou que aqueles que esperavam tinham mais autocontrole, uma forma de função executiva. Ele supôs que as crianças com mais autocontrole teriam mais sucesso em certas situações, como poder terminar o dever de casa antes de sair para brincar. Até que ele entrevistou essas crianças cerca de 30 anos depois que descobriu que sua hipótese estava correta: as crianças que haviam esperado mais tempo, na maior parte das vezes, tinham se saído melhor na escola, tinham ido mais longe. Faculdade concluída, tiveram melhores empregos e menos divórcios! [Uma nota: todas as crianças que ele testou vieram de famílias de classe média.]

Quando experimentadores subseqüentemente testaram crianças de comunidades empobrecidas, essas crianças muitas vezes não esperaram e deram razões como não confiar que o pesquisador voltasse, ou disseram que temiam que alguém comesse o segundo marshmallow ou até que alguém viesse e roubasse o primeiro … um comentário triste, com certeza.]

Não-humanos submetidos ao teste

Meus alunos e eu lemos alguns artigos nos quais os pesquisadores usaram essa tarefa de gratificação atrasada em assuntos não humanos. Muitos trabalhos envolviam experimentos com primatas não humanos, mas nenhum desses estudos havia realmente testado os animais exatamente da mesma maneira que Mischel havia testado as crianças. De fato, sentimos que alguns dos testes nos primatas não humanos provavelmente tinham algumas falhas de projeto. No entanto, em testes muito semelhantes aos usados por Mischel, as cacatuas e alguns corvideos pareciam ser capazes de esperar por uma recompensa melhor, embora não por mais recompensa (ver Auersperg et al., 2014; Hilleman et al., 2014). .

As cacatuas esperaram por muitos segundos; os corvideos por até 10 minutos. Curiosamente, os corvideos, que muitas vezes armazenam alimentos na natureza, às vezes armazenam a primeira recompensa enquanto esperam – possivelmente um caso de “fora da vista, fora da mente”. Esses estudos nos fizeram pensar se um papagaio cinza africano poderia se sair tão bem quanto crianças, ou talvez até melhor do que as cacatuas e corvideos. Sabíamos que nosso papagaio cinzento, Griffin, entendia a palavra “esperar” – embora ele não tivesse escolha, ouvia a palavra todos os dias quando dizíamos a ele que esperasse que seus grãos cozidos esfriassem e esperasse enquanto as pessoas entrassem no laboratório usadondo desinfetante para as mãos e tirassem os sapatos fora da sala antes de ir cumprimentá-lo. Então, passamos a testá-lo, usando a tarefa exata de Mischel (Koepke et al., 2015).

Observamos que em quase todos os outros testes com não-humanos, os pesquisadores ajustaram o procedimento de Mischel. Por exemplo, eles aumentaram lentamente o tempo de espera – portanto, se os participantes pudessem se abster de comer um amendoim por 10 segundos, no próximo teste tentariam fazer o sujeito esperar 20 segundos, e assim por diante, até que os sujeitos falhassem. Tal procedimento poderia realmente estar treinando os sujeitos a esperar, ao invés de testar seu comportamento básico.

Para controlar essa possibilidade, misturamos todos os tempos de espera. Outros pesquisadores às vezes usavam apenas um par de guloseimas; Queríamos garantir que um tratamento não fosse algum tipo de sinal para outro tratamento, por isso usamos vários pares diferentes de prêmios. E também queríamos garantir que Griffin não interpretasse a palavra “espera” como um comando treinado (como aquele dado a um cachorro que tem um biscoito colocado no nariz e tem que esperar por um comando para virar e comer). Então, em alguns testes, apresentamos a recompensa mais favorecida e pedimos a Griffin que esperasse pelo menos favorecido.

Griffin cinza africano joga o jogo de espera

Griffin conseguiu a tarefa – ele esperou em 108 dos 120 testes. Ele foi tão bem sucedido nos atrasos de 15 minutos quanto nos atrasos de 10 segundos. Ele não aprendeu a esperar … ele cometeu tantos erros no final do teste quanto no início, e houve tantos atrasos no início quanto no final do experimento. Os diferentes tipos de tratamento não importavam, mas em dois de seus fracassos, as recompensas eram muito próximas em termos de desejo (um caju e um doce), e ele decidiu comer a recompensa ligeiramente menos favorecida quase imediatamente.

Nos julgamentos em que lhe pedimos para esperar por algo menos favorável, ele mal esperou – ele passou um segundo ou dois olhando para nós como se fôssemos dementes e, em seguida, imediatamente comeu a recompensa, mostrando que ele estava muito consciente de quando ele deveria e não deveria esperar. E ele não estava simplesmente perdendo o interesse pela recompensa – em alguns de seus fracassos, ele esperou até quase o fim do período de atraso – em um caso, mais de 14 minutos – antes de sucumbir à atração da recompensa que estava presente.

O que foi particularmente interessante, no entanto, foram os padrões de comportamento que ele exibiu enquanto esperava: Ele fez quase as mesmas coisas que as crianças pequenas! Ele falou para si mesmo, ele tentou tirar uma soneca, ele se arrumou, virou a cabeça. Como as crianças, ele às vezes lambia a recompensa, mas não a comia. Na verdade, fizemos um vídeo em tela dividida das crianças (do YouTube) e Griffin para usar em uma apresentação em uma conferência, embora não pudéssemos usá-lo em nosso artigo publicado.

Claramente, os papagaios cinzentos podem, às vezes, agir de forma precipitada. No entanto, quando vale a pena, eles estão definitivamente dispostos a esperar, especialmente por uma recompensa melhor. Na natureza isso faz muito sentido: se ao forragear, as aves se depararem com algumas frutas, mas souberem que nozes mais densamente calóricas estão um pouco mais adiante, é muito melhor para elas esperar pelas nozes do que se encher de fruta. O próximo passo, é claro, é ver se Griffin vai esperar por mais uma recompensa … e isso pode não ser tão fácil, pois faz menos sentido ecológico: não há razão para não parar em um pequeno pedaço de nozes e comer -los enquanto espera algo maior. Fique ligado para ver o que o Griffin fará!

Tradução livre por Helena Truksa

ORIGINAL EM INGLÊS: https://lafeber.com/pet-birds/inside-dr-pepperbergs-lab-african-grey-parrots-show-self-control/

Referências:

Auersperg, A. M. I., Laumer, I. B., & Bugnyar, T. (2013). Goffin cockatoos wait for qualitative and quantitative gains but prefer ‘better’ to ‘more’. The Royal Society: Biology Letters, 9, Article 20121092.

Hillemann, F., Bugnyar, T., Kotrschal, K., & Wascher, C. A. F. (2014). Waiting for better, not for more: Corvids respond to quality in two delay maintenance tasks. Animal Behaviour, 90, 1–10.

Mischel, W. (1974). Processes in delay of gratification. In L. Berkowitz (Ed.), Advances in experimental social psychology, Vol. 7 (pp. 249–292). New York, NY: Academic Press.

Mini Curso Comportamento Canino na Semana Temática da Biologia IB-USP

Mini Curso Comportamento Canino Etologia Ethos Animal
Prof. Helena Truksa (à direita), sua assistente Luiza Wolbert e o cão Lucky, em aula sobre comportamento e aprendizagem em cães, no IB-USP.

Nossa fundadora, a Bióloga Helena Truksa foi convidada a ministrar um mini Curso durante a 20a Semana Temática da Biologia, no Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP).

Nos dias 3 e 4 de Outubro (2017), Helena conduziu o Mini Curso intitulado ” Introdução ao Comportamento, Bem-estar e Aprendizagem em Cães (Canis familiaris), abordando desde as prováveis origens da espécie até as mais recentes descobertas científicas no âmbito da etologia aplicada e cognição canina.

O tema, altamente atual, foi amplamente debatido durante as aulas, onde houve ativa participação dos alunos através de comentários ou questionamentos.

No segundo dia de curso, além da teoria, tivemos também uma parte prática com demonstrações de aprendizagem e cognição em um cão (nosso “sujeito experimental”, o Lucky).

Agradecemos à equipe organizadora do evento e ao IB-USP pela oportunidade de estarmos presentes durante a 20a Semana Temática da Biologia e esperamos poder colaborar novamente na próxima edição!

Instituto de Biociencias IB-USP mini curso comportamento canino semana temática da biologia ethos animal helena truksa 12
Slide inicial do curso.

A Ethos Animal está disponibilizando este mesmo curso ao público interessado, e as datas serão divulgadas em breve aqui em nosso site.

Acompanhe os próximos eventos e fique por dentro, clicando aqui.

Resumo do programa do curso, divulgado no site do Instituto de Biociências, IB-USP. Helena Truksa Ethos Animal
Resumo do programa do curso, divulgado no site do Instituto de Biociências, IB-USP.

Algumas imagens do evento…

crianca brincando com cachorro ethos animal comportamento helena truksa

Tratar pet como filho pode fazer mal para ele, dizem especialistas

Matéria originalmente publicada no portal UOL, contendo entrevista com a fundadora da Ethos Animal, Helena Truksa

por Patrícia Guimarães – Colaboração para o UOL, em São Paulo
Tratar pet como filho pode fazer mal para ele?

Você chama seu animal de estimação de filho? Ok, ninguém está aqui para te julgar. O problema não é deixá-lo dormir na cama ou assistir à TV com você. É quando o amor pelo bichinho se transforma em humanização, a tentativa de encaixar seu comportamento em padrões humanos e deixar sua rotina 100% a serviço do dono. Isso, segundo os especialistas, pode ser nocivo para o animal.

Medo, ansiedade e alterações de comportamento são as consequências mais comuns do antropomorfismo (atribuir ao animal características e sentimentos humanos). “Animais têm alta sociabilidade e são considerados agregados, mas esquecemos isso”, diz a médica veterinária Ceres Berger Faraco,  doutora em psicologia e coordenadora do departamento de veterinária da UniRitter. “Achamos que a convivência com a pessoa, que muitas vezes é restrita ao período da noite, é suficiente para suprir as demandas dele. E não é.”

 

Carinho ancestral

Claro que querer a companhia de um animal de estimação e tratá-lo como membro da família é normal; é até parte da condição humana. “No caso especial de cães, essa relação vai ainda mais longe, pois ao longo de milhares de anos de coevolução, os cães vem se tornando cada vez mais hábeis em ‘ler’ e compreender nossas intenções comunicativas, por meio de expressões corporal, facial, gestual e mesmo assimilando palavras dentro de contextos. É uma ligação mais que especial”, afirma a bióloga especialista em comportamento animal e fundadora da Ethos Animal, Helena Truksa.

 

Getty ImagensImagem: Getty Imagens

Lembrando que cães e gatos têm comportamentos muito diferentes que mudam a rotina da casa. “Por exemplo: o gato mantém o comportamento de caça, de ir atrás de alguma fêmea, de buscar algo para comer. O cão tem o forte comportamento de correr, de farejar, de caçar. São comportamentos naturais  mantidos apesar da domesticação, e, quando eles não conseguem expressar esses traços naturais, começa a existir um déficit de bem-estar”, explica a médica veterinária e mestre em comportamento animal pelo Instituto de Psicologia da USP, além de graduanda em psicologia pela PUC-SP e fundadora da Pet Anjo, Carolina Rocha.

 

Em que casos os humanizamos

Muitos dos comportamentos adotados quando passamos a considerar o animal um membro central na família não geram grandes problemas para eles. Preocupante é, por exemplo, trocar as atividades do bichinho por outras que fazem bem para o humano, mas não visam o bem-estar do animal. “Um exemplo é, em vez de deixa-lo passear na rua ou no parque, levá-lo em um carrinho. Se estamos falando de um cachorro idoso, que não consegue andar, ótimo! Superrecomendado! Mas, fora isso, não tem nenhuma necessidade de privar o animal de apresentar o comportamento natural. Essa privação pode gerar consequências para a saúde, como alterações locomotoras e obesidade, que é um dos grandes problemas hoje”, explica Rocha.

Os excessos de banhos, idas ao pet shop e perfuminhos também não são recomendados. “Um dos problemas que podem surgir são as irritações de pele; a pele ressecada. Ou, ao pentear, podem ser gerados microtraumas no couro do animal. Isso do ponto de vista orgânico. Já do ponto de vista psíquico, temos que considerar que esses não são hábitos da natureza deles. Os gatos, por exemplo, fazem auto-higiene. Eles têm uma língua mais áspera e são preparados para isso”, lembra Faraco.

Outro hábito a ser abandonado é o de dar bronca quando o pet faz algo que não nos agrada, como xixi fora do lugar. “Punição de qualquer natureza não ensina efetivamente nada a nenhum ser. Ela apenas pode bloquear temporariamente determinados comportamentos, o que não indica que aprendeu a ter outra conduta. Educar é mostrar o caminho, ensinar como fazer em vez de se preocupar com o que não fazer. E é por esse e outros motivos que os métodos atuais e cientificamente embasados de educação e treinamento de animais (e também de humanos) se utilizam basicamente de motivação e recompensas, nunca empregando punição física ou psicológica”, afirma Truksa.

Getty Images
 Imagem: Getty Images

 

Compromisso emocional

Especialistas recomendam um processo de conscientização antes da adoção de um animal. “A pessoa deve se preparar para saber as características daquele bicho. Muitas pessoas têm gatos que vivem em ambientes empobrecidos. Gatos precisam se esconder, precisam de locais altos… Por isso, na maioria das vezes, estão obesos”, alerta Faraco. E critica: “Muitas pessoas estão pensando apenas no que funciona para elas”.

 

Fonte: https://estilo.uol.com.br/noticias/redacao/2017/02/27/o-seu-bichinho-tem-liberdade-para-ser-o-que-ele-e-de-verdade.htm