Home » Blog Ethos Animal – Comportamento e Bem-estar » Direito Animal

Categoria: Direito Animal

CSI Animal Vida selvagem

Laboratório de investigação forense nos EUA atua em crimes contra animais

Ajudando a resolver os crimes contra animais mais selvagens, a primeira pergunta: de que espécie era a vítima?

A jovem águia dourada na mesa de operações não demonstrou sinais externos de trauma. Um raio-X não revelou fraturas.

Mas este pássaro, uma espécie protegida, estava morto – e é por isso que estava aqui, em laboratório. Ele havia sido enviado para essa pitoresca cidade universitária por agentes federais em algum lugar do Ocidente, que suspeitavam ter sido eletrocutado por linhas de energia. Agora sua carcaça era evidência em uma investigação que poderia levar a acusações criminais contra uma empresa de serviços públicos.

Um patologista veterinário estava prestes a abrir a ave na esperança de determinar sua causa de morte. Essa instalação federal incomum, o único laboratório forense de serviço completo do mundo para crimes contra a vida selvagem, analisa milhares de criaturas que a cada ano cruzam seu limite na forma de carcaças, peças e produtos. Sua missão é usar a ciência para descobrir como o animal morreu – e muitas vezes, para descobrir que tipo de animal era.

“No trabalho policial, você sabe o que é sua vítima – é o Homo sapiens”, disse Ken Goddard, um ex-investigador de cena de crime que agora dirige este lugar, o Laboratório Forense do Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA. “Nosso primeiro trabalho é descobrir o que a vítima é.”

Laboratório de investigação forense nos EUA atua em crimes contra animais Ethos Animal Comportamento 05
A patologista veterinária Rebecca Kagan tira uma foto durante uma necropsia de uma águia-real, uma ave protegida que era suspeita de ter sido eletrocutada por linhas de energia.

O crime contra a vida selvagem é uma empresa global multibilionária que, segundo os especialistas, só aumenta à medida que as redes de caça e tráfico crescem mais sofisticadas e avançam para os cantos escuros da Internet. Quando as autoridades interrompem esse empreendimento, esse laboratório costuma ser uma parada crítica em suas investigações. Seus cientistas realizam testes de DNA, examinam balas, identificam venenos e comparam os restos mortais a cerca de 35.000 exemplares da coleção de referência do laboratório – uma panóplia macabra de peles, ossos, penas e garras.

Quando 13 águias-brancas apareceram mortas em um campo de Maryland há dois anos, os químicos descobriram que foram mortas por um pesticida proibido. Quando um misterioso canino parecido com um lobisomem foi baleado em Montana neste verão, os geneticistas concluíram que era apenas um lobo de aparência estranha. Quando um membro de uma infame gangue irlandesa se confessou culpado no ano passado de exportar ilegalmente uma xícara de chifre de rinoceronte, ele o fez depois que o laboratório determinou que a embarcação era feita de um grande rinoceronte indiano ameaçado de extinção.

Não que Goddard ou seus colegas lhe digam isso.

“Nós nunca ligamos para ver como o caso foi no tribunal”, disse ele. “A estrela de ouro na parede é uma apresentação bem-sucedida, não um processo bem-sucedido”.

O laboratório de 40 mil metros quadrados é um prédio federal, mas parece quase pitoresco, em comparação com as fortalezas de Washington. Os visitantes não passam por detectores de metal, embora as evidências sejam às vezes radiografadas na chegada. Um novo portão de barreira do estacionamento foi instalado neste verão para deter bombardeiros de caminhões, não por causa de uma ameaça específica, disse Goddard, mas porque é um protocolo nas instalações do governo. Goddard ironiza que alguns funcionários da sede nem sabem que o laboratório de 34 funcionários existe.

Mas o laboratório está na vanguarda desse tipo de ciência. Seus refrigeradores genéticos armazenam dezenas de milhares de amostras de DNA animal. Seu vice-diretor, Ed Espinoza, fez várias descobertas, incluindo um método para identificar tipos de marfim e o uso de um espectrômetro de massa para determinar a espécie e, às vezes, a origem da madeira – um alvo crescente dos traficantes. O biólogo Johnnie French viaja para países africanos para treinar guardas florestais em técnicas de investigação da cena do crime (CSI) para usar quando encontram rinocerontes e elefantes.

Mas o trabalho principal de French é como uma espécie de curador e gerente de uma coleção macabra que reflete o fascínio de longa data dos seres humanos em reunir animais vivos e mortos. Uma sala após outra no laboratório guardam cacifos e gavetas de metal cheios de espécimes que foram apreendidos pelas autoridades ou doados: um armário de peles felpudas, uma bandeja de pássaros-do-paraíso em tons de arco-íris, uma bolsa bizarra feita de macaco. , a pele bronzeada e camurça do rosto de um elefante. A coleção é tão vasta que o laboratório logo começa a trabalhar em um novo depósito de 14.000 pés quadrados para abrigá-lo.

Um armário de armazenamento, chamado “BACULA – ÓRGÃOS SECOS”, contém ossos de pênis de animais reais e moldes. (Um item de um pé vendido para fins medicinais falsos como um pênis de tigre era na verdade de um touro, descobriu o laboratório.)

French dá o que ele chama de “tour de paisagens e cheiros”, que começa com uma pequena sala onde as larvas de besouros comedores de carne em caixas transparentes retiram a carne de ossos de animais para que possam ser analisadas ou armazenadas para referência. Do outro lado do corredor, fica a sala de preparação do francês, onde ele tira a pele das amostras recém-adquiridas.

“Esse cara é um dos meus favoritos”, disse French, um ex-soldado pára-quedista, enquanto puxava uma víbora Gaboon morta, mas muito viva, de um freezer ambulante, uma das várias cobras apreendidas em uma investigação federal em Nevada. “Esse garoto do ensino médio tinha 43 das cobras mais venenosas em seu quarto. E a mãe dele não fazia ideia.

Uma hora depois, uma entrega da FedEx veio: Duas caixas de carcaças congeladas do zoológico de Santa Ana, na Califórnia, que, como outros zoológicos, doam para a coleção do laboratório. Este continha uma ema, vários primatas e um tamanduá gigante que, descobriu French quando rasgava várias camadas de sacolas plásticas, sentia falta da cabeça por motivos que não conhecia.

“Processarei cada um dos seus dígitos individualmente. Dessa forma, podemos sempre voltar em cinco anos ou 10 anos e dizer: “Você sabe, este colar parece ter garras de tamanduá gigante”, explicou ele. Saber o que cada garra parece ajudaria os cientistas a determinar se tal colar era “feito de um indivíduo ou três”.

O laboratório lida principalmente com casos federais, mas também é o laboratório oficial do partido das 182 nações da CITES, a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres. Goddard foi contratado para ajudar a lançá-lo em 1979, após o que ele descreveu como vários anos trabalhando como “diretor de um laboratório policial na Califórnia do sul desenterrando corpos no deserto”. A instalação acabou em Ashland, uma cidade ladeada por duas montanhas. fica ao norte da fronteira com a Califórnia, em parte porque um quiroprático local pressionou os senadores do Oregon a apoiar o projeto.

O laboratório começou a trabalhar casos uma década depois, e Goddard, um homem de 72 anos com a voz grave de um locutor de rádio, está lá desde então. Ele diz que o trabalho deu a ele a confiança de que ele considerará sua vida profissional como significativa; também é fornecido forragem para o seu show-lado como romancista de crime.

“O senso de humor é importante”, disse Goddard enquanto estava entre vários produtos de origem animal exibidos no laboratório de morfologia, que, ele enfatizou com um sorriso, nunca encontrou uma amostra de um gato. “Você não pode se levar muito a sério nesse trabalho.”

O diretor do laboratório, Ken Goddard, ex-diretor do laboratório de polícia, foi contratado para lançar a instalação da vida selvagem em 1979.
O diretor do laboratório, Ken Goddard, ex-diretor do laboratório de polícia, foi contratado para lançar a instalação da vida selvagem em 1979.

Naquela tarde, a patologista veterinária Rebecca Kagan levou a águia-real morta para um quarto dos fundos e apagou as luzes. Usando óculos de proteção vermelhos, ela segurava uma fonte de luz alternativa, do tipo usado com freqüência na perícia para detectar impressões digitais. Mas, como ela e seus colegas haviam descoberto anos antes, também pode revelar lesões elétricas no cabelo ou nas penas.

Kagan ficou surpreso ao não encontrar nenhum no pássaro, então ela o levou de volta para a mesa de metal elevada. Logo, ela encontrou outra surpresa. O sangue foi reunido em pontos dentro da águia dourada, que ela começou a esculpir.

“Não é realmente consistente com a eletrocussão. Interessante ”, disse Kagan. Isso poderia ter sido causado pela ingestão de veneno de roedores, segundo ela, que os químicos teriam que determinar.

Um gráfico na parede do laboratório mostrou várias pelotas de fuzil. Outro explicou como diferenciar águias douradas e carecas de restos esqueléticos.

As descobertas do laboratório foram frequentemente usadas em processos sob a Lei do Tratado sobre Migração de Aves. Mas a administração Trump disse nesta primavera que não aplicaria mais o tratado, de 100 anos este ano, a assassinatos não intencionais de pássaros. Águias douradas e carecas permanecem amplamente protegidas sob outra lei federal, no entanto, as aves continuam a aparecer em Ashland.

Do outro lado da sala, Tabitha Viner, também patologista veterinária, usava luvas cirúrgicas roxas e escutava Simon e Garfunkel enquanto examinava uma águia careca que poderia ter sido atingida por uma turbina eólica.

“Em uma autópsia humana, as pessoas não escondem suas contusões”, mas os animais sim, disse Viner. “A pergunta dos agentes especiais é sempre: um humano matou?”

Viner, que já trabalhou no Smithsonian’s National Zoo, fez um raio X de seu pássaro, e agora ela estava sentada na frente de um computador, inspecionando os resultados.

“Ambas as asas estão fraturadas. Este úmero está meio desaparecido. Esta perna está fraturada ”, disse ela, acrescentando que todos eram sinais de um impacto de força brusca de alta velocidade mais prejudicial do que, digamos, uma colisão de carros.

“O ícone da nossa nação”, ela disse calmamente enquanto continuava a examinar a carcaça. “Meio quebrado.”

Veja o site do laboratório aqui.

Uma gaveta contendo pássaros-do-paraíso pode ser encontrada como parte da coleção no laboratório forense.
the washington post – Texto por Karin Brulliard | Fotos de Leah Nash

Guarda Responsável – Parte 2: Em Ação…

Depois de refletir um pouco mais a respeito do assunto, é hora de entender o que de fato cabe a cada um de nós exercer como tutores e cidadãos.

É natural do comportamento e dos instintos caninos, buscar por atividades enraizadas a sua essência. Assim como; a caça, a reprodução e comportamentos relativos ao trabalho que naturalmente estariam realizando se não estivessem conosco.

A partir disso, também é comum que busquem formas de executar isso em ambiente doméstico. O que pode por muitas vezes se tornar inconveniente e até mesmo perigoso.

presp2E é nessa hora que precisamos assumir o papel de responsabilidade por aquilo que foi por nossa espécie cativado, desde o momento em que nossos antepassados domesticaram caninos impondo tantas alterações e adaptações as suas rotinas.

Certamente não podemos e nem mesmo devemos impedir os cães de agirem como cães. Todavia é de nossa total competência oferecer-lhes alternativas e possibilitar-lhes melhor convivência com este ambiente pouco familiarizado as suas ações e necessidades.

Um bom exemplo daquilo que podemos fazer por um cão, é atenuar sua frustração. Proporcionando-lhe muito além de mantê-lo em ambiente seguro, oferecer água fresca, boa alimentação, saúde em dia e carinho, doses diárias de exercícios e interações motivadoras. Que impulsionem seu interesse e estimulem sua energia física e mental.

Outro excelente benefício completamente acessível para reduzir a frustração e excitação excessiva dos cães (pets), é optar pela castração. Evitando assim, estímulos que propiciam fugas, agressividade com pessoas e com outros animais. Além de ser altamente recomendado pela medicina veterinária como ônus para uma vida mais longa e saudável.

Que tipo de exercícios ou estímulos posso proporcionar ao meu cão?

Repito que os cães, são animais altamente vigorosos por essência. Com isso, estão habilitados a caminhar por muitas horas e percorrer longas distâncias utilizando e exercitando naturalmente todos os seus sentidos. Por isso, uma das principais formas de atividade que podemos introduzir a rotina dos nossos cães é a caminhada diária.

Independente do espaço físico que esse cão venha a ter em ambiente doméstico, essa prática é essencial para seu bem estar integral.

Sempre levando em consideração o grau de atividade de cada cão, respeitando seus limites físicos e temperamentais, essa é sem dúvida uma excelente conduta, além de ser uma forma muito rica de interação entre cão e tutor.

Lembrando que também é fator ouro da guarda responsável, é utilizar métodos seguros e agradáveis na hora de caminhar com nossos cães.

Uma guia firme de tamanho médio , a coleira adequada ao porte e comportamento do animal, tal como a identificação e higienização do mesmo, são algumas das principais atitudes que devemos tomar quando compartilhamos com nossos cães esses momentos tão importantes e úteis para suas e para as nossas vidas.

Um pouco mais adiante no aspecto estímulo, existem também maneiras de fornecer ao cão melhor aproveitamento ambiental. Ativando sua mente e canalizando toda a sua energia através de atividades e brincadeiras que se assemelham bastante as ações que ele poderia exercer em ambiente natural.

Exemplos disso?

Hoje existe no mercado pet, inúmeras ferramentas que produzem tal experiência. Como os quebra-cabeças caninos, brinquedos inteligentes, recheáveis e muitos outros itens de extremo proveito na aproximação do cão doméstico a suas origens e ao suprimento de suas autênticas necessidades. Porém, infelizmente esta ainda não é uma possibilidade financeiramente acessível a todos. O que assim mesmo não impede que usemos de nossa capacidade criativa para buscar interações semelhantes com aquilo que temos em mãos.

Uma garrafa pet, por exemplo, pode se transformar em um brinquedo recheável (devidamente removidas; toda a estrutura da tampa, tampa e rótulo). Assim como uma simples caixa de sapatos pode se transformar em um quebra-cabeças e um pedaçinho do quintal pode virar um labirinto de caça. Tudo depende da nossa determinação em materializar o conhecimento adquirido em benefício dos nossos tão queridos animais de estimação.

Em situação normal, um cão saudável, bem assistido, que possuí alimentação de qualidade, socialização e afeto, é um cão feliz e que nãooferece qualquer incomodo aos tutores e a sociedade.

Portanto, guarda responsável é tudo aquilo que praticamos de forma coerente e disciplinada com o propósito de oferecer uma vida digna ao animal que escolhemos trazer para junto de nós.

Lutar pela expansão dessa conduta, é sem dúvida a mais viável forma de tornar cada vez mais raras as pequenas cenas diárias de extinção que assistimos quando encontramos um cão faminto, doente, fétito, maltratado ou mesmo sem vida na beira de uma rua ou avenida.

Assim como a desenfreada proliferação de cães errantes, cães ‘destrutivos’, ou mesmo cães capazes de comprometer a segurança de pessoas e outros animais.

Quando por qualquer motivo, não nos vemos em situação que viabilize tais ajustes em nosso cotidiano, talvez devamos considerar a atual impossibilidade de introduzir um novo ser a nossa vida.

O que para muitos, pode parecer radical, mas certamente é uma escolha consciente e harmonizada. Que desenvolverá maior compreensão e capacidade de quem sabe em um futuro, de médio a longo prazo, tornar tal opção mais oportuna e proveitosa.

Somente entendendo a dimensão da decisão de manter um animal sob nossos cuidados é possível desfrutar dos tantos aprendizados que a espécie canina pode nos oferecer e ser verdadeiramente feliz por viver essa experiência que é tão intensa e única.

Clique aqui e acompanhe a primeira parte desta publicação.

Guarda Responsável – Parte 1: Convite a Reflexão…

A partir deste texto, darei início a um material que tem como intuito estimular uma nova e necessária leitura a respeito da presença dos cães em nossa sociedade e rotina.

Ter um companheiro de estimação é sem dúvida uma experiência muito valiosa. Repleta de descobertas, emoções, aprendizados únicos e eternos, que se bem geridos, certamente contribuirão infinitamente no aprimoramento de nossa vida.

No entanto, como para tantas outras possibilidades de vivência, devemos considerar e ponderar aspectos importantes antes da decisão final de inserir um novo ser em nosso cotidiano.

Não somente por se tratar de uma relação entre espécies distintas, com necessidades semelhantes e também opostas, como já citei nos artigos anteriores. Mas sim por esta opção portar alto teor de adaptação na rotina doméstica, social e familiar.

Citando aqui, os caninos, espécie com a qual atuo, convivo e estudo permanentemente. Seres domésticos, intensamente sociáveis. Próprios de significativa dependência no desenvolvimento de suas atividades básicas de sobrevivência em ambiente humano e convivência social. Providos de uma inteligência emocional apurada, capaz de capturar os mais simplórios estímulos ambientais e habilidade impressionante de associação e compreensão daquilo que o cerca. Esta opção merece uma atenção consciente, responsável e sensata.

Não são raros os casos aonde há uma ideia extremamente deturpada em manter um cão sob nossa responsabilidade. Atitudes culturalmente banalizadas, porém de importância indispensável na promoção do bem estar e dignidade de um animal quanto indivíduo. E é cada vez mais uma obrigação social repensa-las na prática.

Neste primeiro momento, pretendo abordar o raciocínio lógico de forma direta e clara.
Quando pensamos em abandono, possivelmente a cena que nos vem imediatamente a cabeça são cães errantes e sem raça definida (‘vira-latas’).

Entretanto, como eles foram parar ali? Sim. Muitos cães acabam nascendo (e morrendo também) em situação de rua. Mas cães não nascem em árvores. Então como isso aconteceu? E porque continua acontecendo?

Por isso, infelizmente o buraco é muito mais fundo do que parece.

Reflitamos; o que caracteriza o abandono?

Um cão negligenciado pode viver sob um teto. Possuir um nome, se alimentar regularmente e até mesmo ser dono de um conceituado pedigree.

Quando esquecido em uma garagem, sem qualquer cuidado veterinário, ou afeto. Desconsiderado como um ser que não é imune a doenças, fome  e tantas outras necessidades especificas e variáveis de um animal para outro. Quando visto como um animal que necessita liberdade incoerente a sua real capacidade de exercê-la.

Um cachorro não está capacitado a circular pelas ruas sem companhia humana, assim mesmo, quantas vezes encontramos ‘tutores’ que ignoram completamente os fatores de risco aos quais expõe seus animais ao libera-los para uma ‘tour’ pelo bairro?

E quando essa reflexão se estende, o que vem a ser os maus-tratos?
Para muitos, um cão escorraçado, agredido fisicamente ou morto através de atos cruéis.
Lamentavelmente, essa não é a única nuance de maus-tratos imposta a um cachorro.

Os maus-tratos inúmeras vezes ocorrem sob quatro paredes, sem qualquer menção física, sem grande notoriedade visual. E também em sua maioria, estão relacionados as ações anteriormente descritas, através do descaso e gradual desprezo aos principais requisitos que tornam um ser humano capaz de efetivamente manter um cão consigo.

Muitas pessoas ainda encontram no cão, um ser inferior, um ‘utensílio’, que vai desempenhar determinado papel enquanto puder ‘servir’ para tal.
É inegável que desde os primórdios, os cães possuem características natas de trabalhadores, protetores e caçadores. O que inclusive integra as atenções as quais devem ser atendidas quando decidimos trazê-los para nossa casa.

Todavia, retomando a atual condição canina em ambiente doméstico, não é necessário muito para entender que é dever do ser humano respeitar a essência do ser, e tornar seu convívio entre nós o mais pacifico e agradável possível.

O abandono é na verdade, a solidificação da incapacidade de proporcionar a um ser vivo uma atenção que possibilite a integridade de sua existência.

A conduta humana é uma agravante causa de acidentes e problemáticas em nossa sociedade. O que faz crescente a urgência de uma nova mobilização em busca da conscientização e responsabilidade social de cada cidadão.

O cão que atacou alguém na rua, teve uma causa para lá estar, e certamente uma motivação para chegar a tal reação. Assim como os cães que cruzam avenidas, ocasionalmente relacionados a acidentes entre carros ou mesmo vitimas de atropelamento. Os cão acometidos por zoonoses, os inúmeros sacrificados por não restar qualquer chance de cura, enfim… Não faltariam exemplos das consequências da nossa falta de pudor ao manipular a vida animal.

Por que tenho um cão em casa? O que este cão representa no meu dia a dia? Questionamentos importantes ao escolher a companhia canina como parte de nossa rotina.

Posso ter um cão guardião, um cão para acompanhar minhas atividades esportivas, um cão que me auxilie em trabalhos específicos, ou um cãozinho unicamente para fazer companhia. Mas jamais permitir que este cão não seja considerado como oriundo de uma natureza singular, que exige de nossas capacidades adaptativas total assessoria.

Clique aqui e confira a segunda parte deste artigo.

Sobre a consciência animal

Em julho de 2012, um grupo de cientistas reunidos na Universidade de Cambridge proclamou que humanos não são os únicos seres conscientes. “Animais não-humanos como mamíferos e aves, e vários outros, incluindo o polvo, também possuem as faculdades neurológicas que geram consciência animal”, declarou o grupo, na chamada Declaração de Cambridge. Minha primeira reação foi de total incredulidade. Nós realmente precisávamos de um anúncio para definir algo tão óbvio?

Todo mundo sabe que os animais têm consciência. Eles percebem e entendem seu entorno. E muitos, entre eles golfinhos, elefantes e alguns pássaros, são inclusive auto-conscientes. Eles possuem um certo senso de si. Ok, pode ser que um cachorro não saiba quem é do mesmo jeito que eu e você sabemos quem somos. Mas o ponto é: mesmo que não saibam quem são, eles têm consciência de sua própria dor. Foi o que aconteceu comigo quando tive um acidente de bicicleta: bati a cabeça e tive amnésia. Quando o médico me perguntou como me sentia, eu disse: “Estou sentindo muita dor”. E quando ele perguntou quem eu era, respondi: “Não lembro meu nome.” Da mesma forma, é errado fazer um animal sofrer só porque ele pode não saber quem é.

Os pesquisadores descobriram mais do que isso. Sabemos, por exemplo, que ratos e galinhas sentem empatia. Eles conseguem se colocar no lugar dos bichos ao redor e sentem pena ao vê-los sofrer. Elefantes vivenciam alegria, luto e depressão. Lamentam a perda dos amigos, assim como os cães, chimpanzés e raposas vermelhas. Os polvos foram protegidos de pesquisas invasivas no Reino Unido bem antes dos chimpanzés, pois os cientistas já haviam reconhecido que eles são conscientes e sentem dor. Hoje muita gente ainda não quer admitir esses fatos científicos, pois terão de mudar a forma como tratam os animais. Na verdade, temos de tratar todos os animais da mesma forma, com compaixão e empatia – sejam eles os “animais humanos” como nós, sejam todas as outras espécies.

Não estou falando apenas dos abatedouros – embora seja óbvio que, se houvessem mais vegetarianos no mundo, menos animais sofreriam. Estima-se que 25 milhões de ratos, pássaros, peixes e outros animais sejam usados todo ano em experimentos de laboratório. Muitos passam por um sofrimento terrível durante os testes e a maioria sofre “eutanásia” – são mortos – depois. As pessoas justificam atitudes assim dizendo que vão ajudar os humanos. No entanto, mais de 90% das drogas que funcionam em animais não têm o mesmo efeito em nós. Menos de 10% delas nos ajudam de fato. Além disso, já existem formas de pesquisa que não maltratam os animais. Em lugar de gotejar xampu nos olhos de coelhos imobilizados, por exemplo, podemos usar modelos de computador para simular a ação do produto sem dano algum. Portanto, não se trata apenas de um desperdício de animais; é um desperdício de tempo e dinheiro que poderiam ser investidos em outras alternativas.

Por isso, concluí que devemos aplaudir a Declaração de Cambridge. Ela não traz nada de novo, mas mostra que cientistas famosos finalmente admitem que animais têm consciência. A declaração é mais uma prova de que devemos tratar os animais com todo o respeito. E reconhecer que eles não querem sentir dor, do mesmo jeito que nós não queremos. Seria perigoso fazer esse tipo de distinção. Todos os animais devem ser tratados como indivíduos. Ainda vai levar tempo para que isso aconteça. Mas a boa notícia é que cada vez mais pessoas aderem a essa ideia.

Por Marc Bekoff – professor de ecologia e biologia evolutiva na Universidade do Colorado, EUA. É autor de O Manifesto dos Animais, entre outros livros. Em depoimento a Eduardo Szklarz.