Início » Blog Comportamento Animal e Adestramento de Cães Ethos Animal » comportamento papagaio

Tag: comportamento papagaio

charlie-eclectus-papagaio-estresse-automutilacao-arrancar-penas-comportamento-animal-psicologia-adestramento-ethos

Aves também são vítimas de estresse

O papagaio Charlie (na foto), do Reino Unido, foi destaque na imprensa internacional com seu casaco de lã. Além de fashion, ele retrata um problema comum em aves: a automutilação. Segundo publicações internacionais, ele foi abandonado, ganhou roupa para evitar o mau hábito, além de se proteger do frio. “Esse comportamento é comum nos psitacídeos. Na maioria dos casos, eles arrancam as penas devido ao estresse, mas existem algumas doenças que podem aumentar o problema, fazendo com que as penas fiquem frágeis e quebradiças”, explica a veterinária Flavia Cruz Agostini, do Hospital do Grupo Pet Center Marginal.

charlie-papagaio-estresse-arrancar-penas-ethos-psicologia-animal-comportamento-adestramento

As aves são animais bem sensíveis. Elas podem ser afetadas por mudanças de ambiente, falta de atenção e carinho, gaiolas inadequadas, chegada de novos membros na casa (como bebês, por exemplo), barulhos (reformas), separações, falta do que fazer, de um companheiro ou do dono, sujeira no poleiro, entre outros fatores. “É difícil, na maioria dos casos, identificar a origem deste tipo de comportamento. Essas situações, no entanto, levam a um quadro de estresse sinalizado pelo arrancar de penas da própria ave ou de seu colega de gaiola, gritos, recusa ou escolha de ingestão de determinados alimentos e apatia, quando ficam recolhidas num cantinho”, elenca.

O que poucos sabem também é que até o hábito de deixar as aves na cozinha pode provocar automutilação. “Aves são animais que não podem e não devem ficar com as penas sujas, com odor, e muitas pessoas as deixam na cozinha, pois é o local de maior movimento em uma casa. Com isso a gorduras dos alimentos podem impregnar nas penas e, ai sim, o animal começa a arrancá-las”, alerta. Outro perigo da cozinha é a intoxicação das aves pelo teflon das panelas. “Elas soltam gases que podem ser tóxicos e levam à morte”, adverte.

Entre as principais doenças que levam a esse tipo de comportamento, há a giardia; como causa irritação na pele, faz com que o animal comece a arrancar as penas. “Outra enfermidade grave é a doença do bico e das penas, que afeta principalmente os psitacídeos exóticos”, destaca Flavia.

Para contornar o mal, os veterinários recorrem primeiramente a uma barreira física para evitar que as aves continuem com o hábito. Também é possível usar medicamentos antidepressivos. Uma medida simples subestimada, porém, que costuma apresentar bons resultados é ocupar esse animal com brinquedos e atrações na gaiola. “Hoje encontramos uma série de brinquedos para aves. É interessante colocar na gaiola mais um poleiro para que elas possam se movimentar, brinquedos coloridos que chamem a atenção e com espelhos, assim elas se veem refletidas e se distraem achando que é um companheiro”, aconselha.

Segundo Flavia, a automutilação deve ser controlada o mais cedo possível. “Esses locais afetados podem virar grande feridas que podem gerar infecções letais”, conclui.

Fonte: Assessoria de imprensa