Início » Blog Comportamento Animal e Adestramento de Cães Ethos Animal » Revista Mundo Estranho – Existem animais gays?

Revista Mundo Estranho – Existem animais gays?

Matéria publicada na Revista Mundo Estranho – baseado em entrevista concedida por Helena Truksa sobre Comportamento Animal. Para ler outras matérias, clique em Imprensa

130-animais-gays

Existem Animais Gays?

por Luiza Sahd

Sim, alguns bichos apresentam um comportamento homossexual, eventualmente. Vale ressaltar que comportamento é diferente de orientação sexual, como acontece com os humanos. A justificativa para as relações homossexuais(ou bissexuais) no mundo animal varia caso a caso porque, na natureza, nem todo comportamento sexual tem finalidade reprodutiva. Por isso, o tema é polêmico e não há um consenso a respeito na comunidade científica.

BICHARADA GLS

Conheça algumas espécies que apresentam uma alta incidência de acasalamentos entre indivíduos do mesmo sexo

Empolgados

Territoriais e cheios de testosterona nas veias, os bisões brigam bastante para proteger a área em que vivem. Os duelos criam tanta excitação que os brutamontes extravasam, em geral, na cruza. Como as fêmeas só acasalam uma vez ao ano, às vezes acaba sobrando para os machos mais fracos

Aquecimento

As fêmeas dos antílopes se relacionam entre si cerca de duas vezes por hora durante a temporada de acasalamento. Essas relações servem, digamos, para estimular a cruza delas. Durante o namoro, uma perseguidora se insinua por trás de uma amiga e levanta a pata dianteira, tocando-a entre as pernas

Paz Amor

Os bonobos resolvem as diferenças “na base do amor”. Quando um evento qualquer – tipo o surgimento de um objeto estranho – abala o equilíbrio do grupo, a turma logo se exalta e, antes de começar um quiproquó de tapas e mordidas, acaba canalizando a excitação para o acasalamento, inclusive homossexual

Total Flex

As morsas amadurecem sexualmente após os 4 anos de idade. Antes, têm relações homossexuais, como um “aprendizado”. Os machos normalmente são bissexuais: cruzam com fêmeas na época de reprodução e com machos o resto do ano, já que nem sempre as fêmeas estão disponíveis

Pelo bem das crianças

Para os albatrozes, não tem tempo ruim. Em época de reprodução, essas aves formam grandes colônias e, se houver uma desproporção entre a quantidade de machos e fêmeas para construir um ninho e chocar os ovos, casais do mesmo sexo se formam numa boa para criar os pequenos

É o que tem pra hoje

Entre os golfinhos-nariz-de-garrafa, só os líderes do grupo fecundam as fêmeas. Os demais cruzam entre si ou formam panelinhas de três ou quatro membros para namoraras cobiçadas fêmeas. Como o sexo serve para fortalecer a parceria, golfinhos que já cruzaram entre si costumam ser mais unidos

Carpe diem

As moscas de fruta têm um ciclo de vida curto (entre 15 e 21 dias). Por isso, quando os machos amadurecem, saem cruzando com todo mundo, já que não possuem um mecanismo que indique se o parceiro é macho ou fêmea. Acasalar com um membro do mesmo sexo é um “acidente” comum para elas’

Bicha má

Se há mais machos do que fêmeas (ou vive- versa) em um grupo, os cisnes formam pares homossexuais. Às vezes, casais de machos cruzam com fêmeas para ter filhos e, depois da ninhada de ovos, afastam as mães.Eles também podem simplesmente expulsar casais hetero dos ninhos e adotar seus ovos

PARECE, MAS NÃO É

Machos que vivem juntos podem ser só bons amigos

O zoológico de Toronto separou em 2011 dois pinguins machos que tinham uma relação de casal. A história ficou famosa e ganhou o apelido de Brokeback Iceberg, uma referência ao filme Brokeback Mountain. Segundo um funcionário do local, eles tinham laços sociais, mas não sexuais

FONTES Helena Truksa, Bióloga e Terapeuta Comportamental da Ethos Psicologia Animal; sites How Stuf Works, Hypescience e UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *